Seja bem vindo
Delmiro Gouveia,25/02/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

Entenda questões envolvidas nas negociações para libertar reféns de Gaza

Premiê Benjamin Netanyahu está sob forte pressão pública; reféns representam vantagem para o Hamas


Entenda questões envolvidas nas negociações para libertar reféns de Gaza Imagem: Reprodução
Publicidade

Um acordo para libertar reféns do Hamas mantidos em Gaza em troca de uma pausa nos ataques de Israel pode ser fechado hoje, segundo fontes ouvidas pela CNN.

Embora o otimismo tenha crescido após semanas de negociações, o contexto das discussões é complexo.

Para o Hamas, os reféns representam a única vantagem sobre Israel. Os militares israelenses estão atacando Gaza por todos os lados, 12.700 palestinos já foram mortos desde 7 de outubro, segundo dados do Ministério da Saúde palestino na Cisjordânia, com base em dados das autoridades de saúde do Hamas em Gaza. Enquanto isso, o Irã não se envolveu na guerra da maneira que o Hamas desejava.Mesmo que o Hamas mantivesse apenas uma fração dos cerca de 239 reféns que capturou em 7 de outubro, ainda manteria uma influência considerável sobre Israel, que é conhecido por pagar um preço alto em negociações como essas. Em 2011, Israel libertou mais de mil prisioneiros palestinos em troca de um único soldado – Gilad Shalit, que havia sido mantido refém por cinco anos.

E mesmo que o Hamas esteja disposto a cumprir o acordo, há enormes desafios logísticos que podem impedi-lo de fazê-lo. Não está claro se a liderança do Hamas tem uma ideia clara de onde os reféns estão detidos. As comunicações no território foram abaladas por ataques aéreos israelenses, então coordenar uma liberação apresentará grandes desafios.

Por outro lado, a liderança de Israel está sob enorme pressão interna para garantir a libertação dos reféns. A maioria – embora não todos – dos israelenses aceitam a libertação de milhares de prisioneiros palestinos mantidos em prisões israelenses como parte de qualquer acordo de troca.

Mas Israel desconfia do Hamas e está relutante em concordar com qualquer pausa em sua ofensiva para destruir o grupo. Ao mesmo tempo, não quer dar aos israelenses a impressão de que não está fazendo tudo o que pode para trazer os reféns para casa. Portanto, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, tem um incentivo para manter viva a ideia de que as negociações estão ativas.

Publicidade



COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login